domingo, setembro 30, 2012

Um dia o amor…

E na tentativa de me libertar de minhas próprias culpas apenas escrevi para assegurar a mim mesmo que as minhas loucuras de amor não foram tão injustificáveis assim,pois o que me dá a certeza de que não errei mas simplesmente amei ignorando as contradições de um amor proibido, é a própria certeza que hoje tenho de que fui o autor de minha própria história.



Meu amor!

Um dia achei que por amar, também poderia mentir e enganar ao mundo inteiro. Pensei que a minha paixão fosse mais forte que as leis dos homens e as de Deus. Pensei que pudesse lutar contra o teu destino ou até mesmo modificar as coisas que para você eram sagradas. E em nome desse sentimento que parecia tão maior que eu, cheguei a pensar que a minha sinceridade em te amar fosse o suficiente para me inocentar de minhas culpas. Pensei que pudesse trazer escondido por toda uma vida o sonho de ter você e, ao longo do tempo perpetuar nosso caso proibido em segredo. Pensei e por tantas vezes assegurei para mim mesmo que o meu amor tão intenso fosse capaz até de me fazer amar por nós dois. Assim, esqueci a vida lá fora e apesar do medo de ter meu segredo descoberto, fiz desse medo a minha coragem para continuar lutando e nunca desistir de você.E com isso, nunca me dei conta do quanto mentia,manipulava pessoas, usava de falsidade, inventava histórias, desprezava quem me amava e nunca media esforços para me manter sempre ao seu lado como se isso fosse a única coisa necessária para que eu pudesse continuar cuidando daquilo que julgava ser a minha pedra preciosa. Porém hoje me pergunto e me perco nos meus muitos porquês; e as respostas que me veem me machucam e ainda me fazem sofrer tanto. Mas porque também não suportar tudo isso se um dia na ânsia de te amar fui o único autor de nossa história?

Tony Caroll.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário.Ele será muito importante para nós.