domingo, novembro 04, 2012

Qual o ritual em que você está mais habituado a praticar?

Quando obedecemos ao impulso de começar a fazer teatro temos logo o desejo de interpretar alguns personagens, mas esquecemos que cada um desses personagem devem ter a sua forma particular de ser pois,esse personagem o qual você está vestindo com o seu talento, talvez não fale,não ande,não boceje,não chore e não faça nada como você está habituado a fazer.E quando falamos da quebra de mecanismos e certos rituais é simplesmente porque  queremos ver o ator dar vida ao personagem e não apresentar-se a si mesmo sempre.
Ciclo de rituais.
Há um contraste por parte de alguns encenadores que buscam no ator iniciante aquilo em que ele é mais fraco em mostrar como, por exemplo:Se um ator quase não mostra a sua forma de sorrir, se isso não é o seu ponto forte e se o que o torna evidente não é o sorriso, o encenador então procura explorar isso ao máximo desprezando aquilo que é mais eficaz no ator e o torna o centro das atenções. Isso então o mecaniza muito mais do que já está habituado e esse ator passa então a ser rotulado como aquele ator que faz aquilo muito bem e ele passa então a representar o mesmo papel por toda uma vida.Você já percebeu que certos atores sempre são lembrados para viver um papel específico?Fala-se de um personagem e logo alguém sugere aquele ator que parece ter a cara daquele personagem.Lembramos aqui que o bom ator é aquele que em cena vive grandes papéis quando sabe diferenciar o personagem de si mesmo.Clayton Paz meu ex-aluno, um bom ator por sinal, certa vez reclamou do seu cansaço em ser escolhido apenas para viver papéis infantis e, a falta de oportunidades para interpretar outros papéis muitas das vezes o deixava meio sem animo. Isso se deve a esse contraste; não explorar o lado mais forte do ator com exercícios de quebras de mecanismos e rituais, pois quando resolvemos trabalhar no ator aquilo que nele é mais evidente, damos a ele a oportunidade de descobrir mil facetas dentro daquilo que ele está mais acostumado a fazer. Se o encenador despreza esse lado mais eficaz, certamente ficará muito tempo tentando fazer com que ele mostre algo que o intimida e muitos diante disso desistem. Não quero dizer com isso que não se deva trabalhar o lado mais tímido do ator, mas alcançar esse lado tímido com os resultados que ele obtiver trabalhando aquilo que é mais evidente nele.Concluindo: Se o ator é reconhecido pela forma grandiosa de gesticular, começa-se um trabalho de quebras de rituais por ai, até atingir o ponto que o torna tão apagado que nesse caso pode ser a maneira muito simples de sorrir.
Tony Caroll.

3 comentários:

  1. Excelente Tony!Muito bom recordar isso!

    ResponderExcluir
  2. Excelente Tony!Muito bom recordar isso!

    ResponderExcluir
  3. Ok Anselmo.Muito obrigado pelo seu comentário,aliás,você faz parte disso tudo.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário.Ele será muito importante para nós.