Postagem em destaque

Quanto vale a minha vida?

 Quanto vale a minha vida?Você já fez uma avaliação sobre isso?Questionamos o valor de tantas coisas materiais e brigamos acirradamente...

sexta-feira, julho 17, 2015

O teatro do ator e sua arte secreta.

O muito improviso continuado sem a imposição de certo limite traz o esquecimento e faz com que o ator se distancie da ideia original fazendo com que ele crie diversos personagens em uma única cena. Porém o improviso torna-se algo esplendoroso quando existe o respeito mútuo entre os atores; uma relação boa e familiar dentro do elenco.


Porém o improviso torna-se algo esplendoroso quando existe o respeito mútuo entre os atores; uma relação boa e familiar dentro do elenco. Nesse caso é boa a ideia dos atores experimentarem os personagens uns dos outros.Partindo da ideia de que teatro é aceitação, cumplicidade, troca, admiração e inspiração mútua, compreendemos que tanto em cena como fora de cena, o rico deve aceitar o pobre, o bonito ter afinidades com o feio, o milionário sentir o gosto do lugar onde está o mendigo e enfim, um admirar o outro buscando essa inspiração tanto na pura essência do ser como vivendo esses personagens tão diferentes com o intuito de completar-se a si mesmo.Quando falamos da necessidade do respeito mutuo e da boa relação familiar entre os atores não fugimos do improviso criando certa ditadura para os mesmos, mas, asseguramos o cuidado de um para com o outro no que se refere à chamada deixa.O improviso exagerado é um passo para o exibicionismo e o exibicionismo algo que pode aniquilar uma deixa.Existem determinados atores que tem a sua deixa como algo muito valioso para entregar ao companheiro, esses atores são vibrantes porque, tem em mente tamanha admiração pelo colega de trabalho e com imenso prazer fazem questão de trabalhar a sua deixa para ver o colega entrar em cena com muito triunfo. Esses são atores ricos em cumplicidade, pois fazem questão de passar com grande satisfação para o colega a sua oportunidade de brilhar e por isso, fazem questão de explodirem em cena antes da entrada do outro para que a sintonia do enredo não seja quebrada por um simples intervalo. Mas se esse ator é pobre na sua forma de enxergar a cumplicidade, ele não se preocupa com o outro que vai entrar em cena logo após ele e então, relaxadamente se exibe. Esse exibicionismo é resultado do egoísmo que o faz se entregar ao improviso continuado e sem razão; sem a mínima preocupação de como o outro vai lhe suceder, e sem se importar com a quebra da sintonia dentro de uma mesma cena.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário.Ele será muito importante para nós.

- See more at: http://blogsdesucessos.blogspot.com.br/2013/11/botoes-flutuantes-compartilhamento-addthis-vertical.html#sthash.tWry0QzJ.dpuf