quinta-feira, outubro 25, 2012

Garça triste

A garça triste que vive dentro de todos nós quando somos oprimidos pelo preconceito,a discriminação,o abandono.E que um dia foi escolhida pelo ilustre poeta Castro Alves para demonstrar a tristeza de tantos escravos que não tinham direitos por serem negros.E que se tornou a canção de almas iluminadas que deram a vida para ver brilhar a luz na escuridão daqueles que viviam a assegurar que a cor mais clara era sinônimo de poderio.A garça triste ainda hoje é a alma que geme dentro do peito de alguns de nós que em pleno século vinte e um ainda sonhamos ser amados...


Garça triste

Eu sou como a garça triste
Que vive à beira do rio,
As orvalhadas da noite
Me fazem tremer de frio
Me fazem tremer de frio
Como os juncos da lagoa.
Feliz da araponga errante
Que é livre, que livre voa
Que é livre, que livre voa
Para as bandas do seu ninho.
E nas braúnas à tarde
Canta longe do caminho
Canta longe do caminho
Por onde o vaqueiro trilha.
Se quer descansar as asas
Tem a palmeira, a baunilha,
Tem a palmeira, a baunilha,
Tem o brejo, a lavadeira,
Tem as campinas,as flores,
Tem a relva, a trepadeira,
Tem a relva, a trepadeira,
Todos têm seus amores.
Eu não tenho mãe, nem filhos,
Nem irmão, nem lar, nem flores...

Castro Alves.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário.Ele será muito importante para nós.